segunda-feira, Junho 19, 2006

Hospedaria «O Palazim»

Na estrada nacional n.º120, essa mítica estrada que atravessa a Costa Vicentina, a 150 metros do Restaurante «O Chefe Dimas» encontra-se um dos melhores estabelecimentos hoteleiros que tive o privilégio de conhecer nos últimos tempos. Chama-se «O Palazim», e é gerido por um casal português (ela, a "Senhora Palazim", natural da Beira-Baixa, concretamente da cidade de Castelo Branco, ele, o "Senhor Palazim", nativo de Aljezur, um tipo 5 estrelas).
O Casal Palazim acolheu durante 4 noites alguns dos membros desta Confraria, e o "casal amigo" constituído pelo old-school NC e a sua C. Foram, devo dizer, inexcedíveis no tratamento que nos dispensaram. No fundo, eles foram um outro "casal amigo".
Tudo começou quando o NC, trader da bolsa lusitana, teve de abandonar as instalações em causa para se deslocar por umas breves horas a Lisboa. Business is Business, as you know. Foi aí que, a meio de um copo de sumo de laranja mal bebido e um cigarro mal fumado, o mesmo foi confrontado com um pedido expresso da Senhora Palazim para não sair do Algarve com o estômago tão mal tratado. «Quer levar um farnel para a viagem», perguntou a nossa anfitriã a um estupefacto NC que, mais tarde, no meio de uma sopa de cação e um pernil de porco divinal, me confidenciou que julgava que este modo de tratar os clientes só existia ainda nalgumas pensões e hospedarias do Norte do país. Dois dias depois, viemos todos a descobrir que o NC inspirava este tipo tipo de cuidados (quase maternais) no casal que nos acolheu porque, como ontem me dizia a Senhora Palazim, numa atitude mista de espanto e admiração, «o moço é alto: tem para aí uns 2 metros de altura, não?».
Ao longo do fim-de-semana, os nossos anfitriães confirmaram, em toda a linha, que estavamos num sítio diferente. Assim foi que a M. do Milo Manara lanchou todos os dias, ao final da tarde, junto do casal Palazim e os seus amigos, sem que alguma vez tenha pago um cêntimo pelos bolos e yogurtes que a alimentaram, a si, e à sua pequena filha, que, brevemente, se juntará a nós. O mesmo se diga do Milo e do Raspa, que se deliciaram com umas jolas e uns caracóis a ver a bola, e a comentar as incidências de mais uma partida da squadra azzura no Mundial com o Senhor Palazim e um amigo deste, um velho lobo do mar, caçador de gambuzinos na costa Alenteana.
Eu próprio, beneficiei da amabilidade deste casal. Foi no Sábado, depois de mais um dia fabuloso de praia, entre duas surfadas e duas outras futeboladas na areia, quando acordei mal da garganta. Eram 8h00 da manhã, hora que havia sido combinada com o NC para ir à Arrifana apanhar umas ondinhas antes do pequeno-almoço que, todos os dias, e sem preocupações de horário, o casal Palazim nos preparava.A garganta dera de si. Foda-se, pensei. Não tenho nada para tomar. Foi, aí, que encontrei a Senhora Palazim, com o cabelo todo desgrunhado, próprio de quem acabara de acordar que, imediatamente, me obrigou a beber um chá cheio de mel, e a prometer que não iria entrar na água se continuasse, como estava, a chuver! No meio de tudo isso, ainda ouve tempo para que a referida senhora, que se apresentava vestida com velho Robe de Chambre, desaparecesse para dentro da Hospedaria, de onde voltou pouco depois, após ter acordado o marido, com umas pastilhas para a garganta. Leve, que far-lhe-ão bem...
Volto a dizer. Fica na Estrada Nacional n.º120, na Aldeia Velha, Aljezur. A 10 minutos das praias da Arrifana e do Monte Clérigo. O pequeno cartão de visita da "Hospedaria O Palazim" diz-nos que a pensão tem "Quartos com casa de banho privativa, televisão a cores e varanda com excelente vista panorâmica. Um serviço de pequenos almoços. Uma sala de estar com serviço de bar". Tudo isto é verdade. Juro, por minha honra. Acrescento, apenas, que o tratamento familiar que aqui é dispensado aos clientes é impossível de explicar e, concretamente, de traduzir para um folheto turístico. Seja em Português, Alemão, Francês, Mandarim, Árabe ou Inglês. Em qualquer dos casos, e se tivesse de encontrar uma fómula para o fazer, diria talvez isto: "Hospedaria O Palazim: uma pensão «old school»".

5 Comments:

Blogger Rasputine said...

... e à saída, o Senhor "Palazim" ainda me deu para a mão uma garrafa de litro e meio de água gelada do "Luso" (que agradeci) dizendo: «Leve para a viagem que a sua Senhora tem uma bebé...».

seg Jun 19, 01:00:00 da tarde 2006  
Blogger Milo Manara said...

Uma palavra para o nunca visto sistema de "self-service" 24 horas por dia ao frigorifico da casa. Recheadíssimo, aliás.

Da "familía Palazim", da boca da "patroa Palazim" ficámos a saber:

Que o filho músico não quis estudar e toca numa banda em Lagos, que a sua nora sérvia é fisioterapeuta mas não gosta de trabalhar, que o seu cunhado alemão está muito gordo,que o seu neto Alexandre, a quem os "senhores Palazins" também têm direito mas vêm pouco, infelizmente passa a vida a andar no "mata-velhos" e que a GNR já lhe perguntou se não tem amor ao neto, o que a envergonha. Isto ente muitas, muitas outras coisas.

Uma hospedaria à antiga, ou como diria a velha Palazim "Óscú".

seg Jun 19, 01:31:00 da tarde 2006  
Blogger dondoca said...

Felizmente, no nosso país, existem destes casos hoteleiros, mas o que mais me impressionou, foi a familia "estranha " desse casal cinco estrelas. Como é possivel, o que corre mal?

seg Jun 19, 06:16:00 da tarde 2006  
Blogger Milo Manara said...

Talvez tenha dado uma ideia errada. Tudo aquilo foram desabafos normais da "mater familias" de uma familia tradicional portuguesa, nem mais nem menos estranha que outra qualquer.

seg Jun 19, 08:14:00 da tarde 2006  
Anonymous Anónimo said...

El finde semana del 13 al 16 de agosto de 2009 estuvimos en la pension O Palazim en Aljezur. Su situacion es muy buena para visitar las playas cercanas y el resto de localidades. La pension es muy limpia, el cuidado de habitaciones es mejor que cualquier cinco estrellas, y su desayuno de variados dulces, frutas, batidos, cafe, panes, mantequillas, embutidos..etc,además durante el desayuno puedes compartir historias con los dueños del hostal, un matrimonio muy simpático que están a tu disposicion siempre que quieras. Muy amables. El único inconveniente que tienes en la pension es que a las 8 de la mañana se escuchan los ruidos de unos y otros, pero si no eres dormilón no tendrás ningun problema. Una pension cinco estrellas. Daniel Orta.

ter Ago 18, 03:58:00 da tarde 2009  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home